Caio Fernando Abreu não morrerá jamais.

“Ainda que dentro de mim as águas apodreçam e se encham de lama e ventos ocasionais depositem peixes mortos pelas margens e todos os avisos se façam presentes nas asas das borboletas e nas folhas dos plátanos que devem estar perdendo folhas lá bem ao sul e ainda que você me sacuda e diga que me ama e que precisa de mim: ainda assim não sentirei o cheiro podre das águas e meus pés não se sujarão na lama e meus olhos não verão as carcaças entreabertas em vermes nas margens, ainda assim eu matarei as borboletas e cuspirei nas folhas amareladas dos plátanos e afastarei você com o gesto mais duro que conseguir e direi duramente que seu amor não me toca nem me comove e que sua precisão de mim não passa de fome e que você me devoraria como eu devoraria você ah se ousássemos.”

Gota d’água

“Já te dei meu corpo, minha alegria
Já estanquei meu sangue quando fervia
Olha a voz que me resta
Olha a veia que salta
Olha a gota que falta
Pro desfecho da festa
Por favor
Deixe em paz meu coração
Que ele é um pote até aqui de mágoa
E qualquer desatenção
Faça não
Pode ser a gota d’água”

Chico Buarque

Fumar beber e…

QUANDO EU NÃO BEBIA,
NÃO FUMAVA E NEM FODIA,
NINGUÉM ME QUERIA…
…AGORA QUE BEBO,
FUMO
E FODO,
SOU ODIADO POR TODOS.
PASSEI A BEBER,
FUMAR
E FODER,
PARA TODO MUNDO SABER
QUE QUEM BEBE,
FUMA E FODE…
É SÓ PRA QUEM PODE !!!

(desconheço a autoria, mas queria ter escrito, escroto, escrito)

When the world falls down

Minhas palavras se fazem escassas.
Minha respiração descompassada.
Minha dieta é de fome, pura e simplesmente muita fome.
Impossível dizer que não tentei.
De forma tosca? Quem sabe?
Com amor? Certamente!
Mas… Há algum tempo volto a ter sexo como quem tem flores.
Com cuidado, com carinho e com cautela.
Se apertar muito, estraga, se não molhar, murcha.
Se deixar pro lado, seca.
Dizem que conversar ajuda. e beijar também.
Meus filhos, teus filhos…
“Exes”.
Nada marcado, mas tudo certo, suave e confortável.
E a vida me aparece bem mais feliz com quem é mais maduro.
Um caminho reto. Uma estrada aberta.
Sexo real… Não mais experimental.
Fundamental, verdadeiro e transcendental.
Ah, a meia idade…