Quem pensam que são?

Quem pensam que são esses caminhantes que olham nos meus olhos e julgam meus atos? Como podem pensar que eu seria aquilo que eles desejavam para si? Como podem ter a ousadia de me convidar para saciar sua fome. Quem mata a minha fome sou eu, e eu escolho aquilo que vou comer. Com que direito me chamam de estúpida? Com que direito me julgam arrogante? Nada perguntei, nada. Não diz respeito a nenhum deles o que eu fiz ou deixei de fazer. E já não é a hora, não é o dia, são sim as noites e toda essa romaria. Romaria de gente que vai em busca, romaria de gente que senta esperando achar. Romaria dos que como eu caminham sem procurar, encontram sem querer.
Por que me odiar? Pela falta de pudor? Porque não me banco com culpas que me arranjam. Não, obrigada, esta palavra e este sentimento não fazem parte de meu repertório – dicionário. Não faz parte do meu banco de dados sentimental. E por que não?? Porque não faz sentido. Não tem lógica. Por isso.

Anuncios

A Minha Gratidão É Uma Pessoa – Nando Reis


Depois de pensar um pouco
Ela viu que não havia mais motivo e nem razão
E pode perdoá-lo

É fácil culpar os outros
Mas a vida não precisa de juizes
A questão é sermos razoáveis

E por isso voltou
Porque sempre o amou
Mesmo levando a dor
Daquela mágoa
Mas segurando a sua mão
Sentiu sorrir seu coração
E amou como nunca havia amado

Mas como começar de novo
Se a ferida que sangrou
Acostumou a me sentir prejudicado

É só você lavar o rosto
E deixar que a água suja
Leve longe do seu corpo
O infeliz passado

E por isso voltou
Pra quem sempre amou
Mesmo levando a dor
E aquela mágoa
Mas segurando a sua mão
Sentiu sorrir seu coração
E amou como nunca havia amado

E viveram felizes… para sempre
E eles estavam livres da perfeição que só fazia estragos

Ah, mas a perfeição nem faz todo esse estrago, não.

Sexo e Rock n’ Roll

Ele chegou e chorou.
Dolores chegou e sentou.
Também chorou, mas não se abalou.
Dolores era agora mais mulher dele do que nunca.
Comprou calcinhas novas. E ele amou.
Ela sentou no pau dele.
Ela gozou.
Ele gozou…
E assim sucessivamente até dormirem cansados.
Lô que era tão grande, estava mais “slim” por estes dias.
Foram, ao todo onze quilos que agora deixavam ver os ossos das costelas e da bacia de Dolores, os tornozelos e a saboneteira que era a base de um pescoço longo.
Pescoço reto. Ballet, é claro.
Naqueles dias que sucederam os erros dele,
antes que Lô soubesse, (e a Lô sempre soube) ele a abraçava e beijava com tamanha voracidade que fez com que ela gozasse cinco vezes…
Depois, ele quis mostrar serviço e o tamanho do arrependimento.
Lingerie nova, o corpo novo… Um cheiro bom…
Viraram noites, bebendo, conversando sério, fumando, num ritual de completa congruência, amizade, amor, entrosamento e calma.
Ele a comeu devagar, com força, e Lô, fêmea, felina, e completamente entregue a ele deixou que ele a possuísse inteira, sem dormir, cansada. Ela deu a ele o que ele queria, e sabia, ainda que por errar caminhos, onde encontrava.
Os demais? Se resumiram a pó. Nada do que havia acontecido valia mais a pena do que o amor dos dois. Delicado e intenso, numa constante busca por equilibrar o que era instinto e o que era razão. O que era amor e o que era tesão.
Lô era interessante, sabia foder. Era completamente desprovida de pudores quando estavam a sós. Fora disso, mulher direita, muito inteligente, franca, sexy, espirituosa… Engraçada. Dolores ria, e sorria, e gargalhava, roucamente gostosa. Ele via nela a segurança de ter uma mulher, e a insegurança de ter para si o exemplar perfeito daquilo que se deseja a todo momento, e que muitos outros desejavam. Só ela despertava nele excitação, por isso, diante de qualquer incidente bizarro, pensava nela para não falhar como homem.
Dolores estava radiante. Mais magra, mais feliz, mais linda… Ele via o brilho que ela emanava, e mais se esforçava em reconquistar seu espaço. Entrava em Dolores por todas as portas e janelas, por todos os caminhos, de todos os jeitos.
Ela trabalhava muito, lia muito, transava muito. Sorria, cantava, estava assim.
A insegurança da outra fez Dolores mais bonita.

Spinetta, TQM!


Seguir Viviendo Sin Tu Amor
Luis Alberto Spinetta

Si a tu corazón yo llego igual
Todo siempre se podrá elegir
No me escribas la pared
Sólo quiero estar entre tu piel

Y si acaso no brillara el sol
Y quedara yo atrapado aquí
No veria la razón
De seguir viviendo sin tu amor

Y hoy que enloquecido vuelvo
Buscando tu querer
No queda más que el viento
No queda mas que el viento

Y si acaso no brillara el sol
Y quedara yo atrapado aquí
No veria la razón
De seguir viviendo sin tu amor.

La verdad es que el tema es genial. Spinetta es divino simplemente.
“No vería la razón de seguir viviendo sin tu amor”
Canta para mi. Y me hace feliz.
Buena onda. Escuchenla nomás!

Arrivederci!

Queria escrever algo muito triste, muito feio, muito melancólico. Queria ferir alguém, machucar, matar, bater até ver sangrar. Sei lá, um gato, um cachorrinho fofo, o meu nariz. Queria dizer bem alto: “Mundo, vai se foder” Mas não resolve e nunca iria resolver. O mundo não se foderia e fodida estaria eu. Tudo tem um tempo, e, se não tem bem que pra sempre dure, não tem mal que nunca se acabe. E eu confio nisso. Eu confio na capacidade humana de se resolver, de estar disponível pra retomar, pra apagar erros, cometer mais acertos. Erros são bênçãos. Ninguém cresce sem comete-los. E quem cresce assim, não cresce o suficiente. Bem diz o Fito para não esquecermos que: “El perdón es lo divino y errar a veces suele ser humano”. É Al lado del camino, que é “más entretenido y más barato”. E eu tenho tanta letra de música para encher um caminhão. Me importa um, me importa este, me importa o que é meu. O que é dos outros é dos outros e nisso eu não mexo.

Charly sempre me entende.

Pois bem. É assim. Entram pela porta, se fazem de entregadores de gás, e a gente permite. Como assim gás? Eu não pedi, não quero gás. Volte para o inferno com ele. Sim, Dolores já sabia. Sem novidades. Sem crises. Você perdeu, não Dolores. Simplesmente porque Dolores tem condição, tem cinema, tem passagem, tem música e tem rock. Você não é Dolores. Voce é simplesmente DEPRIMENTE. Dolores é sexy, cheia de charme, de roupas coloridas e cabelos modernos. Dolores vai ao salão, e tem unhas cuidadas. Você acha que pode desestruturar as coisas, quando vê, chega a Lô, e você é quem escorrega.
Lô não sente ciúmes, somente pena. Uma profunda e aguda pena de você. Que pena, que pena.
Que verdades você sabe dizer? Tem medo de perder? Não se perde o que já está perdido, não se ganha mais. Game over. E você se foi.
Dolores? Segue linda e bela, vendo você ao longe, como um fantasma de palavras maledicentes.
Enfim, meu bem… Dolores é de verdade e EXISTE. Você NÃO